<-- home

Recalibrar

Com frequência cada vez maior me deparo com mudanças complexas em meu ambiente que requerem ações. Estou fazendo algo relacionado a resolução X, e, do nada, aparece o problema Y exigindo atenção. Essas mudanças podem ser qualquer coisa, um problema a ser resolvido, um evento a atender, uma reação inesperada em uma conversa, etc. E se aplicam tanto a carreira como a vida pessoal, em relacionamentos, compromissos, etc.

A impressão que estou formando é que tudo o que realmente importa na vida chega dessa forma. Grandes mudanças, muita imprevisibilidade e a necessidade de reagir de alguma forma. Dificilmente alguém consegue construir uma grande carreira ou estabelecer uma relação profunda sem constantemente reagir e se adaptar as novas circunstancias.

Não estou querendo incutir uma cultura do desespero sugerindo que devemos ficar trocando de atenção a todo o momento na esperança de resolver tudo em paralelo. Por outro lado, não dá pra fechar os olhos aos arredores e pensar que o sucesso se atinge seguindo uma linha reta. Acho que a sabedoria se encontra em algum lugar aí no meio dessa falsa dicotomia.

Em sistemas operacionais existe o conceito de IRQ interrupt request que é algum evento que o computador recebe e precisa reagir de alguma forma. Esses eventos podem ser qualquer coisa, a entrada de outros dispositivos, o uso de acessórios, etc.

O importante nesse caso é o fato de existir uma lista de prioridades que o computador segue para reagir a essas interrupções. Se o computador estiver processando o teclado, ele não vai parar de fazer isso para resolver o problema do mouse, visto que o teclado tem maior prioridade. Mesmo assim, o computador ainda é um cavalheiro, ele não deixa de escutar o mouse. Apenas guarda o pedido do mouse em um buffer para ser processado assim que terminar sua tarefa mais importante.

A analogia não é perfeita, nossas vidas são mais complexas que isso e as prioridades mudam. Mas ainda são necessárias prioridades, e a categorização de cada um desses eventos segundo nossas prioridades é essencial. Chamo esse processo de calibração.

Para conseguirmos calibrar com sucesso são necessários alguns ingredientes. O primeiro, é a elaboração de metas para as mais diversas áreas de nossa vida. Nossas metas também tem de se alinhar com as metas daqueles com quem convivemos. No trabalho, por exemplo, o processo de calibração vai levar em consideração uma mistura das metas do seu negócio com suas metas pessoais.

Para ser um bom calibrador também se requer a realização de que ser um profissional de sucesso - e um adulto em geral - tem muito a ver com fazer coisas que você não gosta de fazer mas acha necessário.

O princípio de Pareto é um conceito interessante para aplicar no processo de calibração. Quando aplicado a carreira, pode ser entendido como conseguir 80% do resultado com 20% do esforço. Em meu contexto profissional, por exemplo, procuro fazer as tarefas de maior impacto: sejam elas as mais difíceis, ou as que ninguém quer fazer, ou as que trarão maior valor ao negócio ou bem estar para a equipe.

Esse processo de calibração certamente é complexo, e é natural se sentir meio estressado tendo que negociar prioridades. Uma técnica que pode aliviar esse peso chama-se mindfulness. Que em sua raiz significa estar totalmente presente no momento atual. Ou seja, viver de fato o agora, não se preocupar com as tarefas que estão esperando no buffer.

Existem algumas técnicas que lhe permitem aplicar mindfulness no cotidiano, uma delas é a meditação, a qual pratico. E o número de evidências apontando os benefícios da meditação mindfulness são impressionantes.

De qualquer forma, tem sido uma grande experiência reagir sobre essas demandas. Quando dizer não, e quando dizer sim e quando dizer depois. W. H. Auden certa vez disse: “rotina em um homem inteligente é sinal de ambição”. Apesar de eu concordar com a pérola no geral, faria apenas uma pequena modificação: “hábito em um homem inteligente é sinal de ambição”. Aprender a se adaptar é a essência da evolução e ao mesmo tempo que é um desafio é uma experiência positiva. E me parece um bom caminho para viver uma vida plena.